terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Confraternização Ideal Care Brasília

Na última quinta-feira, (21), os colaboradores da Ideal Care Brasília se reuniram no restaurante Coco Bambu em confraternização de fim de ano.
Na ocasião, foi proporcionado aos presentes um delicioso jantar acompanhado de muita música e diversão, além do sorteio de vários brindes, e da emoção aflorada durante a apresentação do vídeo com a retrospectiva de momentos vividos ao longo do ano.
Para Miriam, da área comercial, a iniciativa foi muito boa, “O evento foi excelente, muito bem organizado em todos os sentidos. Cardápio muito bom, a presença de um Dj para animar a festa, e as surpresas da noite, um presente para cada um e um vídeo de retrospectiva. Cada detalhe fez com que a noite fosse bastante agradável”. Comenta.
“Pra mim foi ótimo, lugar muito bom, a organização foi boa, a comida nem se fala e ainda ganhei um perfume”. Foi a impressão mais que divertida de Helton – TI.

Dez dicas para cuidar bem da sua voz


Segundo OMS, o Brasil está em segundo lugar no ranking de incidência de câncer de laringe. Dicas ajudam a prevenir problemas
O tumor na laringe afeta cerca de 10 mil pessoas por ano no Brasil de acordo com pesquisa do INCA (Instituto Nacional do Câncer). Como resultado, a OMS (Organização Mundial da Saúde) aponta o Brasil como o segundo país com maior incidência do tumor.
Segundo o otorrinolaringologista José Eduardo Pedroso, presidente da Academia Brasileira de Laringologia e Voz, as principais causas da doença são o vício de fumar e a ingestão excessiva de álcool. Ele aponta também que o período de festas de fim de ano é quando se deve ter mais cuidado para não prejudicar a laringe.
“Nessas confraternizações, além de cantar ou falar muito alto, as pessoas acabam bebendo um pouco mais e abusando da comida, provocando o aumento do refluxo laringofaríngeo, que se trata do conteúdo do estômago que reflui e dá um ‘banho’ nas pregas vocais, causando inchaço, alteração na voz e prejudicando a laringe em geral”, afirma José.

O especialista separou algumas recomendações para preservar a saúde do aparelho vocal:

1. Evite gritar ou falar alto em ambientes ruidosos.

2. Não é recomendável ingerir líquidos ou alimentos muito gelados, principalmente em dias quentes.

3. Fumar é altamente nocivo à saúde do sistema respiratório, principalmente às pregas vocais.

4. Pigarrear e sussurrar são hábitos aparentemente inofensivos que podem trazer grandes prejuízos à voz.

5. Falar durante exercícios físicos de impacto, como vôlei e tênis, podem prejudicar as cordas vocais.

6. O consumo excessivo de bebidas alcoólicas também é nocivo, porque propicia um efeito anestésico na laringe, causando abusos do aparelho vocal.

7. É importante beber bastante água e manter uma alimentação leve, sem exagerar no consumo de alimentos gordurosos ou muito condimentados.

8. Chupar balas ou pastilhas para aliviar dores na garganta traz também efeito anestésico, levando também a abusos vocais.

9. O uso excessivo de ar condicionado traz problemas ao resfriar e reduzir a umidade do ar, provocando o ressecamento das cordas vocais.

10. Um otorrinolaringologista deve ser procurado a qualquer sinal de problemas como dores na garganta, rouquidão, cansaço ao falar, tosse, pigarro ou dificuldade para engolir.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Bebida alcóolica e direção, péssima combinação!


Fim de ano é tempo de muitas festas, confraternização da empresa, amigo oculto, festa de natal e ano novo... Mas é preciso se atentar para a péssima combinação entre álcool e direção!
A idéia que se faz do álcool como produto estimulante é falsa, não passa de mito. Na verdade, a sensação estimulante provocada pelo álcool, nada mais é de que a diminuição da inibição. De fato, o álcool é depressivo e a sua ação pode induzir ao sono.
A ação depressiva do álcool no cérebro e no sistema nervoso central reduz a capacidade mental e física diminuindo a habilidade para a realização de tarefas mais complexas como, por exemplo, conduzir um veículo.
Conduzir veículo é tarefa que requer habilidade e prudência, todavia, estes requisitos são facilmente anulados após o motorista ter ingerido bebida alcoólica.
Grande parte dos acidentes de trânsito ocorridos no Brasil é conseqüência direta da embriaguez ao volante, isso porque muitas pessoas ainda acreditam no falso poder estimulante do álcool.
Todo condutor de veículos em estado de embriaguez, mesmo leve, compromete gravemente a sua segurança e a dos usuários da via.

Como o álcool é absorvido pelo organismo

Uma parcela do álcool introduzida no organismo é absorvida pela mucosa da boca. A grande maioria, porém, é absorvida pelo estômago e intestino delgado, e daí vai para a circulação sangüínea. Aproximadamente 90% do álcool é absorvido em 1 (uma) hora.
Porém o mesmo não ocorre com a eliminação, que demora de 6 (seis) a 8 (oito) horas e é feita através do fígado (90%), da respiração (8%) e da transpiração (2%). O tempo é o único remédio, banhos frios, cafés fortes, ou remédios apenas produzem bêbados despertos, mas tão bêbados quanto antes.       
     
Oálcool produz efeitos de maneiras diferentes

É comum ouvir dizer que é a ingestão do álcool em doses determinadas não altera os efeitos psicológicos. Essa afirmação, todavia é falsa, pois às vezes o indivíduo ingere uma pequena dose cujo efeito é idêntico à ingestão de uma grande dosagem alcoólica.
Logo, em quantidades determinadas, o indivíduo é afetado de formas diferentes em diversas oportunidades.
Independente de algumas pessoas se tornarem mais irritadas ou alegres, em geral, quando bebem ninguém pode prever com precisão seus comportamentos.

Níveis de embriagês


segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Alimentação saudável colabora com a saúde durante o natal


As festas se amontoam nos últimos dias do ano, e a tradição dita que devem ser realizadas com parentes e amigos ao redor da mesa. Sem dúvida, a comida é um dos grandes protagonistas das reuniões natalinas, mas o abuso de determinados alimentos pode ser prejudicial para a saúde.
Entretanto, se transformamos a moderação no principal condimento dos pratos, poderemos desfrutar de todo tipo de produtos sem que nosso organismo sofra.
"Não existem alimentos permitidos ou proibidos, o importante é a quantidade e a frequência com a qual são consumidos", disse Mónica Navarro Indiano, vice-presidente da Associação de Dietistas-Nutricionistas de Madri (Espanha). De fato, "no contexto de uma dieta saudável e consumido de maneira ocasional, tudo vale", acrescentou a especialista.
Na hora de escolher os alimentos que vamos consumir nas celebrações natalinas, temos que seguir algumas recomendações.
- O menu deve ser "variado e incluir todos os ingredientes: hidratos de carbono, proteínas e gorduras", disse Salvador Tranche, secretário da Sociedade Espanhola de Medicina da Família e Comunitária.
- Além da característica hipercalórica, os menus natalinos contêm normalmente uma grande quantidade de proteínas e gorduras. Por isso, "no restante das refeições do dia é recomendável comer alimentos de baixo valor calórico, ricos em fibra e hidratos de carbono, como frutas, verduras e algum lácteo", recomendou Mónica.
- As necessidades calóricas não são as mesmas para um homem e para uma mulher e também variam em função de outros fatores como a idade, a altura, o peso e a situação fisiológica. "Mas em média necessitamos cerca de 2.500 Kcal por dia", explicou a nutricionista. "Uma comida ou jantar típico natalino costuma contribuir com em torno de 1.200 Kcal", advertiu.
O truque é reduzir as porções
Para acompanhar as comidas natalinas, a nutricionista recomendou beber água, pois é o "ideal para hidratar e degustar melhor os sabores dos alimentos. Além disso, não fornece calorias", ressaltou.
Os adultos podem tomar "bebidas alcoólicas de baixa graduação como o vinho ou o champanhe, mas devem levar em conta que aumentam o conteúdo energético do menu natalino em 7 quilocalorias por grama de álcool consumido. Assim, um copo fornece cerca de 80 quilocalorias", afirmou.
Para desfrutar das delícias natalinas sem prejudicar nossa saúde, Mónica Navarro ofereceu algumas sugestões para levar à mesa.
Um menu saudável seria composto por croquetes de camarão como entrada, um primeiro prato a base de alface com salmão, lombinho ao roquefort com batatas assadas como segundo prato, tudo isso acompanhado de pão branco, e de sobremesa, frutas secas com sorvete de limão com champanhe.
A outra opção recomendada pela nutricionista começaria com uma tábua de presunto e lombo curado seguida por um salpicão de mariscos. Como prato principal batatas douradas ao sal com pão branco para acompanhar. A sobremesa seria um fondue de frutas com chocolate e cidra.
"O truque é reduzir o tamanho das porções porque há maior número de pratos, compensar com o restante de comidas do dia e não exagerar com as bebidas alcoólicas, os doces, ou as sobremesas hipercalóricas", argumentou. Pois, segundo diz a especialista, uma bebida que não seja água e um pedaço de torta de sobremesa podem aumentar em 400 ou 500 quilocalorias a participação energética do menu.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Ideal Care é a empresa mais admirada e referência em saúde

Nos últimos três meses duas pesquisas apontaram a opinião do mercado de saúde sobre os prestadores de serviços de Home Care. A primeira delas, realizada pelo site Conexão, trouxe a pesquisa Empresas mais admiradas em Home Care, a segunda, elaborada pelo IT Mídia, apontou as empresas referências em saúde.

No cenário de diferentes estudos desenvolvidos para o mercado de Home Care já é possível constatar quais são os prestadores que se destacam no contexto da assistência domiciliar. Esse é o caso do Grupo Ideal Care que no primeiro estudo ocupa a 3ª colocação entre as empresas mais admiradas no município de São Paulo, e no estudo do IT Mídia foi consagrado como empresa referência em saúde.

Nos diferentes aspectos avaliados pelo site Conexão, o da eficácia e da agilidade na desospitalização são imprescindíveis para as operadoras de saúde. E exatamente nesses quesitos o Grupo Ideal Care ocupou 1ª e 2ª colocações, demonstrando efetiva sintonia da empresa no atendimento das necessidades e expectativas dos clientes.

Já o estudo do IT Mídia, trouxe à avaliação temas como: profissionalização da gestão, investimento em tecnologia e padronização dos procedimentos. Enquanto no mercado apenas 20% dos respondentes estão em processo de adquirir um tipo de acreditação, o Grupo Ideal Care só em 2011, investiu R$ 150 mil na implementação do Modelo de Excelência da Gestão® da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), única no setor a implementar este modelo.

Isso faz do Grupo Ideal Care a única empresa mais admirada em Home Care e referência em saúde, ao mesmo tempo.

“Estamos construindo a cada passo, uma empresa melhor para se fazer este nobre trabalho de cuidar de pacientes”, comentou o presidente do Grupo, Joaldomar Almeida.


sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Veja dicas de saúde para quem vai entrar na academia de olho no verão.

A proximidade do verão aumenta a temperatura e também esquenta o movimento nas academias. As pessoas procuram melhorar a forma física com exercícios e dieta, mas é preciso acompanhamento médico entes de entrar na maratona por um corpo bonito nesta época do ano.
O cardiologista Abel Pereira explica que é importante se submeter a uma avaliação médica antes de entrar na academia. “A primeira coisa é fazer um exame médico porque a intensidade do exercício é determinada pelo estado de saúde. Tem que ver a pressão arterial e o ritmo do coração. Se a pessoa tiver problemas de pressão alta ou de má formação nas válvulas cardíacas ela pode ter problemas mais graves durante a atividade física, principalmente se for intensa.”
Adolfo Ferreira Salvia é instrutor de academia e explica que as atividades começam aos poucos. “Pra quem é sedentário, o ideal é começar com atividades leves como caminhada na esteira e iniciar a musculação com um aparelho por músculo, pra não estressar a musculatura”. O novo aluno de academia também é avaliado por seu instrutor, que vai indicar exercícios para perda de peso ou para ganho muscular.
Para os gordinhos que querem emagrecer, o cardiologista dá uma dica de dieta. “Se a pessoa estiver obesa ela tem que fazer uma restrição de carboidratos e ter uma alimentação balanceada na proporção de 50% de carboidratos, 30% de proteínas e 20% de lipídios. É este tipo de dieta que vai fornecer energia necessária a pra os execícios”.
A estudante de enfermagem Jaddy Estefania da Silva Barbosa está numa missão pessoal. “Quero emagrecer 25 quilos em três meses. Procurei uma nutricionista e estou seguindo uma dieta. Em duas semanas de academia já consegui perder cinco quilos.” Para chegar lá Jaddy encara uma rotina de três horas exercícios, seis vezes por semana.
Tanta dedicação é necessária, conforme explica o instrutor. “Pra sentir diferença a pessoa deve frequentar a academia de três a cinco vezes por semana, com sessões de uma hora a uma hora meia por dia. As adaptações fisiológicas surgem no primeiro mês, mas a perda real de peso aparece a partir de 3 meses de atividade”.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Somos Referência. E estamos entre as 3 empresas mais ADMIRADAS


Na noite de ontem (08) a Ideal Care foi homenageada pelo IT Mídia e aplaudida pelos principais gestores da área da saúde durante a cerimônia de estudo que retratou o grau de maturidade da gestão dos negócios na saúde.

Durante festa, realizada no hotel Hyatt, em São Paulo, outras 26 instituições de saúde, além do Grupo Ideal Care, entre 28 cases, foram homenageadas por suas práticas de gestão relacionadas a aspectos como marketing e vendas, pessoas, finanças, tecnologia (TI e médica) e governança corporativa.

O reconhecimento ao Grupo Ideal Care foi calçado pelos estudos de mercado desenvolvidos em 2011 e pelos investimentos em marketing, tecnologia e capacitação. Só em 2011, R$ 150 mil foram investidos na implementação do Modelo de Excelência da Gestão® da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), o que definitivamente determinou o caminho estratégico da organização, orientando a construção do seu Planejamento Estratégico para o quadriênio 2012-2015.

A edição especial da revista FH, coordenada pelo IT Mídia, contemplando o resultado da pesquisa Referências da Saúde, trouxe temas como: profissionalização da gestão, investimento em tecnologia e padronização dos procedimentos.

Alguns resultados do estudo:
  • 20% dos respondentes estão em processo de adquirir um tipo de acreditação.
  • 25% dos respondentes ainda não possuem nenhum tipo de acreditação.

Estar entre as três empresas mais admiradas do Segmento de Home Care e ser referência quanto ao grau de gestão não é por acaso. Nós conseguimos!

Parabéns aos nossos mais de 1.300 colaboradores que a cada dia constroem uma Ideal Care melhor para se fazer este nobre trabalho de cuidar de pacientes.

Confira matéria completa http://saudeweb.com.br/26329/confira-os-28-destaques-do-referencias-da-saude-2011/

Riscos para a saúde à mesa.

Análise da Anvisa revela que vários vegetais estão contaminados com agrotóxicos.

Os benefícios de dieta rica em vegetais e frutas são conhecidos. Porém, antes de levá-los à mesa, o consumidor deve estar alerta aos riscos de uma contaminação por agrotóxicos, que pode causar até câncer. Pimentão, morango e pepino são alimentos apontados como campeões no acúmulo de resíduos químicos.

Os dados são do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos de Alimentos (PARA) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), divulgado ontem, que analisou 2.488 amostras coletadas de 18 tipos de vegetais e frutas em circulação no País. Em 92% das amostras foram encontradas irregularidades.

Gerente-geral de toxicologia da Anvisa, Luiz Cláudio Meirelles explica que o efeito dos agrotóxicos é cumulativo. “Em longo prazo, pode resultar em problemas no sistema nervoso, cardiorrespiratórios, alterações fetais e câncer”, diz. Não há sintomas imediatos por ingestão de alimento com resíduos, destaca o médico Ricardo Rosenfeld, coordenador da equipe de nutrição do Hospital Israelita Albert Sabin. Ou seja, eles aparecem a longo prazo.

Para evitar a contaminação, é preciso investir na higiene. “Não é preciso tirar a casca dos alimentos. Lavá-los em água corrente e depois deixá-los de molho por 20 a 30 minutos em 2 litros de água com uma colher de vinagre é desinfecção eficiente”, explica Rosenfeld.

Entre os problemas encontrados na análise da Anvisa estão resíduos tóxicos não autorizados no plantio e quantidades acima do limite permitido. O caso mais preocupante é o do pimentão, com problemas em 90% das amostras. Em seguida estão morango, pepino, alface e cenoura. A batata foi o único alimento isento em 100% das amostras.

“Queremos melhorar e coibir o uso abusivo dos insumos agrícolas por parte dos produtores e da rede varejista, que deve controlar mais seus fornecedores. Este é um alerta de que a exposição a longo prazo a essas substâncias podem resultar em danos à saúde do consumidor”, destaca Meirelles.

Até 2013, a Anvisa vai banir dois tipos de agrotóxicos do mercado brasileiro por colocar em risco a saúde humana. Eles já são proibidos em países europeus. As substâncias podem desregular os sistemas reprodutivos e endócrinos em trabalhadores rurais e na população.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Vinho e Saúde - Atualizando conhecimentos

Desde a descoberta de que o consumo de vinho era o responsável maior pelo chamado paradoxo francês, ou a constatação epidemiológica de uma baixa incidência de doenças coronarianas em populações com alto consumo de gorduras saturadas na dieta, os estudos a respeito dos efeitos do vinho sobre a saúde se multiplicaram e hoje temos farta informação disponível que nos permite superar dúvidas e afirmar certezas.  Não se trata de uma novidade, considerando que a primeira referência ao uso medicinal do vinho está nos papiros egípcios e sumérios de 2.200 A.C. O famoso estudo internacional coordenado pelo professor Salim Yussuf de Ontário em 2004 sobre fatores de risco para Infarto Agudo do Miocárdio, conhecido como Interheart e que revolucionou as práticas de saúde cardiovascular no mundo, constatou os efeitos protetores do consumo moderado de álcool. Em seu número de junho último, o American Journal of Enology and Viticulture publica uma completa revisão sobre o tema (Wine and Health, feita por dois mestres no assunto, os professores John Pezzuto e Jacquelyn Guilford da Universidade Hawaii at Hilo. O trabalho, subsidiado pelo Instituto Nacional do Câncer dos EUA (do qual os dois são pesquisadores graduados há vários anos), fundamenta-se numa análise de 228 dos mais atuais estudos disponíveis na literatura científica mundial.
As conclusões obtidas não deixam margem a dúvidas, confirmando os benefícios para a saúde advindos do consumo regular e moderado de vinho, particularmente vinho tinto rico em polifenóis (substâncias naturais antioxidantes como o resveratrol que bloqueiam os efeitos nocivos dos radicais livres), que tem sido associado à diminuição do risco para problemas cardiovasculares, diabetes tipo 2 e vários cânceres. Os polifenóis também reduzem a agregação das plaquetas (prevenindo o surgimento de trombos) e as inflamações sistêmicas, além de aumentarem a função endotelial com o que evitam a formação do LDL, o mau colesterol. Embora vários componentes como as antocianinas e os flavonóides tenham uma ativa participação, a chave do processo é o resveratrol presente nas sementes e na casca da uva, por alterar o metabolismo lipídico e inibir a oxidação do LDL, tornando-se um potencial cardioprotetor, ademais de se opor ao crescimento de alguns tumores e agir como anti-inflamatório, neuroprotetor, antibacteriano e antiviral, entre outras características.
Consumo regular e moderado significa a ingestão de uma dose (150 ml) por dia para as mulheres e o dobro disso para os homens, mas é preciso considerar condições individuais como idade, genética, porte, uso de medicamentos. As vantagens deste padrão de consumo são perdidas quando beber vinho é algo apenas eventual (só no fim de semana, ainda que a quantidade total ingerida seja a mesma) ou pesado. Os efeitos positivos para a saúde aumentam quando associados a uma dieta saudável, como a mediterrânea que combina o vinho com uma alimentação rica em frutas, vegetais e grãos integrais. Adicionar vinho à dieta de indivíduos saudáveis, que não fumam, praticam exercícios e têm peso controlado resulta em menor ocorrência de infartos e outras doenças, quando comparados aos abstêmios.
Não há uma resposta fácil para a pergunta: qual vinho é o mais saudável? É possível que os mais tânicos e ricos em procianidina, um tipo especial de polifenol. Um exemplo está nos vinhos tintos do sudoeste da França (Cahors, Bergerac) e da ilha italiana da Sardenha que contém até quatro vezes mais procianidina do que os das demais regiões, uma provável razão para a maior longevidade dos seus habitantes. No todo, vinhos tintos são mais benéficos que os brancos. Mesmo se fosse viável  eleger um determinado vinho como sendo o mais saudável, essa verdade poderia mudar no ano seguinte, pois cada safra é influenciada pelo tipo de solo, clima, inseticidas ou variações sazonais. Em essência duas garrafas do mesmo vinho não têm exatamente a mesma composição e os procedimentos de estocagem e o tempo de envelhecimento depois que é vendido podem alterar seu perfil químico. 
O álcool é um reconhecido fator carcinogênico. Não obstante, há evidência de que o consumo moderado de vinho pode diminuir o risco a diversos cânceres, como os de cólon, ovário e próstata. Em pacientes tomando uma taça de vinho ao dia observou-se um menor risco de desenvolver Esôfago de Barrett, um precursor potencial de adenocarcinomas. O artigo proporciona referências detalhadas de estudos especificamente relacionados às interações entre vinho e câncer, assim como para diabetes, hipertensão, efeitos neurológicos, gastrointestinais, entre outros. Enquanto uma ou duas doses ao dia são benéficas, três ou mais podem favorecer a manifestação de sintomas neurodegenerativos, depressão, obesidade, enxaqueca, hipertensão, infarto cardíaco, câncer de mama e demais alterações ligadas ao alcoolismo. A possibilidade de efeitos tóxicos está sempre presente quando não há um rígido controle de contaminantes (resíduos de pesticidas, ácido acético, bactérias, chumbo, etc.) por parte de cada país e de cada região produtora.
O estudo ainda lembra que o vinho não é um substituto para um regime de vida sadio nem para a medicação (e sim um parceiro) eventualmente necessária. Homens e mulheres que consomem vinho de maneira leve ou moderada e que estejam livres de complicações médicas podem, enfim, ficar seguros de que este é um hábito saudável.       

Fonte: Bem Paraná

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Confira 10 hábitos que colaboram para a insônia

 Quando a vigília indesejada aparece à noite, muitas vezes é recebida com julgamento e auto-recriminação. A atitude só atrasará ainda mais o retorno do sono.
Algumas pessoas aproveitam os finais de semana e feriados para dormir todas as horas que não conseguiu ao longo da semana, porém, o hábito contribui para as más noites nos dias úteis. O ideal é equilibrar as horas de sono em todos os dias.
Sonolência diurna é um sintoma comum de vigília noturna e pode levar a pessoa a dormir no meio do expediente. Embora existam indícios que comprovam os benefícios da soneca durante a tarde, mas dormir mal à noite é prejudicial à saúde.
Cafeína, outras bebidas energéticas e alimentos com alta quantidade de açúcar são usados para compensar a energia não obtida durante o sono. No entanto, estes alimentos acentuam ainda mais os problemas de insônia e o problema só tende a se agravar.
Muitas pessoas acreditam que o sonho não é importante , quando, na verdade, ele é fundamental para nossa saúde física e mental, bem como para a memória. Cultive, relembre e fale sobre os sonhos.
Existe uma crença comum que quando uma pessoa não consegue dormir, o melhor a fazer é ficar na cama esperando o sono chegar. Esta prática, geralmente, resulta em insônia condicionada - uma associação da própria cama com a vigília. O ideal é ir para a cama somente quando você se sentir sonolento e sair dela para relaxar em outro lugar quando você não consegue dormir.
Em parte culpa das propagandas de TV, as pílulas para dormir são cada vez mais usadas como método. Os medicamentos mascaram o problema e deixam a pessoa drogada.
Muitas pessoas encerram o dia agitado com um copo de vinho ou de outra bebida alcoólica. Quando o álcool é metabolizado ele costuma causar insônia, por isso, apesar de relaxar, as bebidas não combinam com uma boa noite de sono.
Em um esforço para relaxar, as pessoas costumam ver um pouco de TV ou ler um livro. Como método de relaxamento estas atividades até funcionam, mas a luz azul da TV, por exemplo, incentiva a acordar e suprime a substância do sono, a melatonina.
O ideal não é, literalmente, "ir dormir." É preciso relaxar e deixar o sono tomar conta do corpo, no lugar da agitação diária. Deitar na cama ansioso para cair no sono pode causar insônia.

Fonte: Terra Saúde

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Impacto dos agrotóxicos na saúde é destaque no primeiro dia da 14ª CNS

Relação entre saúde e agrotóxicos foi feita em debate sobre o documentário ‘O veneno está na mesa’, produzido com apoio da EPSJV. Delegados também organizaram marcha até o Congresso em defesa do SUS.

Um ato em defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) promovido por movimentos sociais e uma discussão sobre o uso e consumo de agrotóxicos marcaram ontem (30/11) o primeiro dia da 14a Conferência Nacional de Saúde, em Brasília, antes mesmo da abertura oficial do evento. Durante a tarde, centenas de participantes do evento fizeram uma marcha pela Esplanada dos Ministérios, chegando até o Congresso Nacional, onde se espera que os senadores votem esta semana a regulamentação da Emenda Constitucional 29 . A emenda estabelece os gastos dos entes federados com a área da saúde e sua regulamentação foi uma das maiores reivindicações durante o ato. Um dos objetivos dos manifestantes foi pressionar os senadores para que eles aprovem um projeto que obriga a União a investir em saúde no mínimo 10% de suas receitas correntes brutas.
Nas falas dos participantes também tiveram destaque a luta pela jornada máxima de 30 horas para todos os profissionais da saúde; o estabelecimento de uma taxa de contribuição sobre grandes fortunas, cuja arrecadação iria para a saúde; e o fim de mecanismos de privatização na gestão nessa área, como as Organizações Sociais (OS).

Veneno na mesa
À noite, o cineasta Silvio Tendler, o secretário geral da CNS, Francisco Batista Júnior e a professora do Departamento de Saúde Comunitária da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC) Raquel Rigotto participaram de um debate sobre o documentário ‘O veneno está na mesa’, trabalho mais recente de Tendler, que contou com o apoio da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz). A mesa foi coordenada pela vice-presidente do Conselho Nacional de Saúde e coordenadora geral da Conferência, Jurema Werneck.
Não foi possível exibir o filme durante o evento, mas a maioria esmagadora dos presentes já tinha assistido ao documentário. Além disso, Tendler disponibilizou DVDs para que representantes das delegações tirassem cópias e levassem a seus estados. De acordo com o cineasta, a discussão dos agrotóxicos durante a Conferência é fundamental. Ele disse que essa questão tem potencial para ser a luta que mais une o Brasil na área da saúde. “Isso porque os agrotóxicos não escolhem público-alvo. A saúde de toda a população brasileira é hoje vítima dessa ganância de empresas que têm como único objetivo o lucro, e não a qualidade de vida”, disse, lembrando que substâncias proibidas em muitos outros países continuam sendo produzidas e utilizadas no Brasil.

Falta de informação
Batista Júnior disse que muitas vezes a população brasileira não “desperta” para a defesa do SUS e da saúde pública, e que o que está na raiz disso é a falta de informação. De acordo com ele, o documentário de Tendler é importante por isso. “Nós muitas vezes debatemos nossas questões, nossas demandas e propostas apenas entre nós mesmos, deixando de lado boa parte da população. É importante mostrar à população como um todo que ter garantia de saúde não é apenas ter acesso ao serviço para tratar os doentes. Também não é só ter acesso ao medicamento nem a exames. Saúde é mais complexo do que isso. Nesse sentido, filmes como o de Tendler são fundamentais. São informações que chegam à população mostrando que saúde tem a ver com meio ambiente, com condições de vida e também com alimentação e agrotóxicos, que estão adoecendo e matando agricultores e consumidores”, disse. Ele ressaltou que estratégias como o cinema são importante para fazer com que a população de maneira geral se torne aliada em relação à defesa do SUS.

Proposta para a Conferência: eliminar a isenção fiscal para agrotóxicos
Raquel Rigotto chamou a atenção ainda para o fato de que, no Brasil, agrotóxicos e sementes transgênicas recebem do governo federal uma isenção de 60% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), além de isenção total do Programa de Integração Social (PIS-Pasep) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). “Isso significa que temos   incentivos fiscais para o consumo de agrotóxicos no Brasil. Tenho certeza de que vocês, que trabalham com saúde, têm noção da gravidade disso”, afirmou, completando: “Temos sobretaxação de cigarro e álcool, justamente porque são prejudiciais à saúde e os recursos provenientes daí devem suportar as despesas decorrentes de doenças que esses produtos causam. Então, por que fazer o oposto com os agrotóxicos, isentando-os de taxações?”. Ela disse ainda que em alguns estados, como São Paulo, Ceará e Mato Grosso, o problema é ainda mais grave: nesses lugares, o a isenção do ICMS foi estendida para 100%, em vez de 60%.
Raquel explicou que uma das propostas da Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e Pela Vida é suspender essa isenção fiscal e usar os recursos das taxações sobre agrotóxicos para o financiamento do SUS. “Coloco para apreciação da plenária a possibilidade de que esta Conferência indique essa proposta em seu relatório final, como algo que vai promover a saúde no Brasil”, indicou.
Tendler acrescentou outra sugestão. De acordo com ele, seria importante rotular os produtos transgênicos ou agrotóxicos, em vez de rotular os orgânicos. “O consumidor tem que ter o direito de ir ao mercado e saber o que está comprando. Em vez de criar um selo para os orgânicos, é preciso criar um selo para o agrotóxico e para o transgênico, com o mesmo tipo de mensagem que vem nos cigarros, dizendo em que medida fazem mal à saúde. A presença de agrotóxicos nos alimentos tem que ser denunciada. Seria interessante que também colocassem isso no documento final da Conferência”, apontou.


Fonte: EPSJV/Fiocruz/EcoAgência




quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

14ª Conferência Nacional de Saúde



No período de 30 de novembro a 4 de dezembro de 2011 acontece em Brasília a 14ª Conferência Nacional de Saúde, que é o evento de saúde mais importante no Brasil.

Sob o tema “Todos usam o SUS! SUS na Seguridade Social – Política Pública, Patrimônio do Povo Brasileiro” e com eixo “Acesso e acolhimento com qualidade: um desafio para o SUS”, a 14ª Conferência tem por objetivo discutir a política nacional de saúde, segundo os princípios da integralidade, da universalidade e da equidade.






Confira a programação: 



terça-feira, 29 de novembro de 2011

Ter amigos faz bem à saúde. Saiba os motivos.

De acordo com a publicação Madame Noir, diversos estudos conduzidos ao redor do mundo têm indicado que ter amigos não apenas melhora a qualidade de vida como faz com que você viva mais. Descubra então dez benefícios que as amizades trazem para a sua vida.




  1. Melhora geral na saúde. Cientistas concluíram que pessoas mais idosas com um amplo círculo de amigos tinham 22% menos chance de morrer em comparação com os indivíduos com poucos amigos. Em 2010, os estudiosos de Harvard concluíram que laços de amizade mantém a saúde cerebral conforme envelhecemos. Outra pesquisa com pessoas acima dos 50 anos mostrou que a memória dos socialmente ativos era melhor;
  2. Força para lutar contra o câncer. Em 2006, um estudo com quase três mil enfermeiras com câncer de mama concluiu que mulheres sem amigos próximas tinham quatro vezes mais chances de morrer da doença do que as que possuíam 10 ou mais amigos. A amizade era encarada como uma forma de proteção. Nem mesmo a presença do cônjuge foi associada à sobrevivência;
  3. Para eles também. Enquanto muitos estudos focam nas relações de amizade entre as mulheres, outras pesquisas mostram que os homens podem se beneficiar também. Em um estudo que durou seis anos com 736 suecos de meia-idade, ficou comprovado que a falta de amizade é tão perigosa quanto fumar quando se trata dos riscos de sofrer um ataque cardíaco;
  4. Melhora na resposta imunológica. Pessoas com menos amigos têm quase o dobro de chance de morrer de doenças do coração e são duas vezes mais propensas a contrair gripes e resfriados - mesmo que estejam menos expostas aos germes por terem menos contato social;
  5. Recuperação mais rápida. Cientistas que estudaram 42 casais em que um cônjuge possuía algum ferimento concluíram que as pessoas que se sentiam hostilizadas pelo parceiro demoraram o dobro de tempo para se curarem. O estudo mostrou ainda que nosso bem-estar social pode determinar se vamos ter uma recuperação rápida ou demorada de ferimentos mais graves ou mesmo de uma cirurgia;
  6. A proximidade importa. A mesma pesquisa indicou que a proximidade física também é importante. Um amigo que vive na sua vizinhança terá mais influência no seu bem-estar do que outro que more há quilômetros de distância. Até mesmo o bem-estar do seu vizinho tem impacto na sua saúde;
  7. Amigos dos amigos também são importantes. Como toda a sua rede de contatos influencia a sua saúde, amigos mútuos - quando você divide uma pessoa com outro amigo próximo - também podem interferir na sua saúde. Por isso, é importante cuidar do círculo de amizade próximo, investindo nessas relações;
  8. Contato social tem dose mínima indicada. Diversas pesquisas sugerem que, para manter nossa saúde, devemos interagir com outras pessoas por pelo menos seis horas por dia. Esse contato aumenta a sensação de bem estar e diminui preocupações e o estresse. Missão impossível? Preencha suas cota diária com um bate papo no café, almoço com os colegas do trabalho, conversas ao telefone, enviar e-mails e torpedos etc;
  9. Crie laços no trabalho. Um estudo revelou que apenas 30% dos empregados possuem um grande amigo no escritório. Mas estes se dedicam mais ao emprego, são mais simpáticos com os clientes, produzem melhores projetos e ainda têm menos chance de se machucarem no dia a dia. Outro estudo, conduzido pelos especialistas do MIT, nos Estados Unidos, mostrou que até mesmo pequenas doses de interação social podem causar grandes ganhos na produtividade;
  10. Manter a visão positiva. Em 2010, pesquisadores avaliaram 34 estudantes na Universidade de Virginia, nos Estados Unidos, levando-os para uma colina íngreme e colocando mochilas pesadas em suas costas. Depois, perguntaram a eles quão acentuado era o declive. Os estudantes que se mantiveram perto de amigos acreditavam que o declive era menor do que na realidade. O estudo concluiu que ter amigos a quem recorrer faz com que os problemas pareçam menores e a sua vida fique melhor.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Previna-se contra a febre amarela antes de viajar.

Antes de fazer turismo em áreas de matas e florestas é preciso se vacinar contra o vírus da febre amarela com 10 dias de antecedência.
O período de férias está se aproximando e quem viaja para conhecer as regiões de matas, florestas e cachoeiras precisa estar vacinado contra a febre amarela. Apesar de a doença não existir na área urbana do Brasil, o vírus ainda circula em regiões silvestres. A imunização deve ser feita com um período de, pelo menos, dez dias antes da viagem.
"Macacos adoecem continuamente de febre amarela. A pessoa pode ser picada por um mosquito que picou recentemente um macaco contaminado e vir desenvolver a doença", explica o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa.
A febre amarela é uma doença grave que pode matar. A prevenção é fácil, basta tomar a vacina. É importante ressaltar que mesmo você já tenha visitado o local outras vezes, é preciso estar imunizado contra a enfermidade. "O vírus da febre amarela percorre áreas grandes do Brasil e da América Latina", lembra Barbosa.
Ciclo - No Brasil, o vírus da febre amarela circula nas áreas silvestres, de matas e florestas. Para se proteger contra a febre amarela, a vacinação é o método mais seguro. A dose da vacina tem validade por 10 anos e deve ter tomada 10 dias antes da viagem. O Ministério não indica a revacinação antes desse período. Só não deve tomar a dose, pessoas com baixa imunidade, que tenham forte alergia a gema de ovo, gestantes e bebês menores de seis meses.

Doses - A fabricação da vacina é feita com o vírus da febre amarela atenuado e, como todo medicamento, pode causar algum efeito colateral, como dor de cabeça e febre. Mas nem todos têm essas reações. A maioria das pessoas toma a dose e não sente nada depois. Com relação à bebida alcoólica e à combinação de remédios é preciso ter cuidado porque prejudica a formação de anticorpos. Medicamentos antidepressivos devem ser evitados.

Clique aqui para saber para quais municípios há orientação da vacina.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Riscos da Exposição ao Sol

Pele bronzeada é sinônimo de beleza para muitos, mas a aparência bonita e saudável pode esconder perigos em longo prazo. Especialistas da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) advertem para os riscos da exposição ao sol de forma inadequada, representando prejuízos à pele, além de ser responsável pelo câncer de maior incidência no Brasil, o da pele.
O Brasil registra cerca de 120 mil casos novos por ano, de acordo com Instituto Nacional do Câncer (Inca). Para alertar para os riscos da exposição ao sol sem proteção, a SBD realiza, em 26 de novembro, a 18ª. Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele.
Vários serão os postos de atendimento em todo Brasil. Em Ribeirão Preto, o Complexo de Saúde do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (USP) de Ribeirão Preto (HCRP) colocará equipes de dermatologistas para atendimento no ambulatório do HCRP, das 8h às 14h, para a realização de exames preventivos e encaminhamentos para tratamento dos casos suspeitos de tumor.
Segundo a professora Cacilda da Silva Souza, uma das coordenadoras do evento, anualmente, a campanha realiza em Ribeirão Preto em torno de 500 atendimentos, detectando a doença em 11% deles.
Prevenção deve começar na infância
Especialistas enfatizam que as chances de desenvolvimento da doença são reduzidas se as medidas de prevenção forem adotadas desde a infância. A proteção pode ser feita com roupas adequadas, óculos, chapéus ou bonés e filtro solar, principalmente no período de 10h às 15h, em que há maior intensidade de radiação solar.
O câncer da pele atinge mais comumente indivíduos com mais de 50 anos, no entanto, a sua freqüência tem aumentado em indivíduos mais jovens. Há grupos da população mais susceptíveis ao câncer de pele, como indivíduos de pele clara, ou aqueles que se expuseram excessivamente ao sol e com antecedentes familiares de tumores. Esses grupos devem estar mais atentos aos sinais suspeitos do câncer da pele e procurar atendimento periódico do especialista para exame e orientações de prevenção.
Câncer
O câncer de pele é o crescimento anormal e descontrolado de células da pele. A radiação ultravioleta é a principal responsável pelo seu desenvolvimento.
Existem três tipos de câncer de pele: o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. O carcinoma basocelular é o mais freqüente, e o melanoma, o mais incomum e grave.
Desde que detectados precocemente, 90% dos tumores de pele são curáveis. A cirurgia executada por médicos especialistas é o método mais adequado para tratamento.
Sinais de alerta
- Crescimento de nódulo, róseo a escuro, que se ulcera e sangra facilmente;
- Mancha que arde, descama e sangra sem causa aparente;
- Pinta ou "sinal" que muda de cor, tamanho espessura ou contornos;
- Feridas que sangram e não cicatrizam.
Proteção
- Evite exposição excessiva ao sol no período entre 10h e 16 h (horário de verão).
- A face é local frequente dos tumores da pele, proteja-a sempre. Não esqueça de proteger também as orelhas e os lábios.
- Use chapéu, boné, óculos e roupas que protejam a pele.
- Use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o, generosamente, pelo menos 20 minutos antes da exposição ao sol.
- Procure um médico se notar na pele: manchas, pintas ou “sinais” que estão se modificando, as que formam "cascas" na superfície ou sangram com facilidade; feridas que não cicatrizam ou lesões de crescimento rápido ou contínuo. (EPTV)

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

DESAFIOS DO GOVERNO COM O MELHOR EM CASA



Em entrevista realizada pela revista Home Care Brasil, o Vice-Presidente do Grupo Ideal Care, Dr. André Minchillo, comenta os aspectos do novo Programa Melhor em Casa, os desafios que o Governo Federal tem pela frente para obter sucesso na implementação do programa e de que maneira a iniciativa privada pode contribuir para o sucesso do programa.

HCB – Como o senhor avalia o lançamento do Programa Melhor em Casa apresentado ao Brasil recentemente pela Presidente Dilma?
MINCHILLO – Há mais de duas décadas falamos e atuamos com a Assistência Domiciliar. O lançamento do Programa Melhor em Casa é um importante marco para a saúde pública brasileira, pois o Ministério da Saúde tem como foco uma rede de serviços mais integrada, oferecendo um melhor padrão de atendimento à população, ajudando a rede de serviços públicos hospitalares nos casos em que o paciente não precisa permanecer no ambiente hospitalar, apoiando as famílias que vierem a usufruir do programa com a isenção à tarifa de energia em alguns casos. O reconhecimento, por parte do Governo Federal, de iniciativas municipais e estaduais exitosas é uma forma de democratizar os benefícios dos Programas de Atendimento Domiciliar aos usuários do SUS.

HCB – O Melhor em Casa se assemelha ao modelo praticado pelas empresas de Home Care?
MINCHILLO – A característica do serviço assemelha-se ao que preconiza da RDC 11 da ANVISA para a assistência domiciliar. As ações assistenciais com perfil de internação domiciliar deverão ser incrementadas ao longo do desenvolvimento do Programa. Portanto, o Programa Melhor em Casa apresenta-se de forma muito positiva para ações integradas em saúde.


HCB – O Sr. avalia que a experiência da iniciativa privada pode contribuir para a implementação e gestão do programa Melhor em Casa do Governo Federal?
MINCHILLO – Sim. Acredito que este sistema de integração e parceria, resaltadas no pronunciamento da Presidente Dilma e do Ministro da Saúde Alexandre Padilha, deverá incorporar a experiência adquirida pelo setor privado ao longo destas duas décadas. Isto certamente traria benefícios qualitativos para a saúde pública dos Brasileiros. O gerenciamento de equipes multidisciplinares, sistema de logística integrado e a construção de conhecimento e protocolos assistenciais e administrativos são fundamentais para o atingimento das metas propostas. Nesse momento, o setor, de forma organizada através de suas associações NEAD e SINESAD vem conversando com esferas do Governo Federal, Estaduais e Municipais sobre a criação de fóruns e desenvolvimento de reuniões de trabalho para auxiliar na implementação e gestão de um trabalho de sucesso. Iniciativa importante foi a sanção da Lei do Município de São Paulo, instituindo o PRODHOM – Programa Hospital Domiciliar.

HCB – Quais são os indicadores de gestão importantes para que os gestores públicos assegurem assistência efetiva no processo de internação domiciliar do Programa Melhor em Casa?
MINCHILLO – Recentemente o Grupo Ideal Care realizou uma ampla pesquisa de mercado para conhecer o cenário da assistência médico domiciliar em duas das principais praças do Brasil – São Paulo e Distrito Federal –. Nessa pesquisa participaram pacientes, operadoras de saúde e gestores hospitalares, que puderam apontar e avaliar os pontos críticos atualmente vivenciados na assistência domiciliar privada. Todos estes aspectos apresentados, quando controlados por indicadores como gastos com mão de obra, absenteísmo, gastos com materiais, medicamentos e equipamentos, nível de capacitação das equipes, podem perfeitamente serem controlados.

HCB – De que maneira a iniciativa privada pode contribuir para o sucesso do programa Melhor em Casa?
MINCHILLO – Apresentando suas práticas de trabalho e auxiliando na execução do programa. Nós do Grupo Ideal Care que estamos há 15 anos atuando com assistência domiciliar no país, e em diversas praças, acreditamos que o setor pode contribuir no que for preciso para que os núcleos assistenciais do Programa Melhor em Casa desenvolvam-se com eficiência e qualidade. Neste ano que finda concluímos a primeira etapa de um Projeto de Excelência em Gestão, sob a coordenação da Fundação Nacional da Qualidade, em busca de um modelo inovador no segmento de Home Care, e que certamente pode interessar aos gestores públicos conhecer o modelo.

Parabéns à Assefaz pela Semana Nacional da Saúde

Entre os dias 31/10 a 04/11 a Fundação Assefaz realizou a Semana Nacional da Saúde em São Paulo reunindo mais de 300 pessoas entre beneficiários dos serviços da entidade e outros interessados.

Convidada, a Ideal Care participou do evento com a realização dos serviços de Medição de glicemia capilar, Aferição de pressão arterial, Medição de peso, altura, cintura e circunferência abdominal e Cálculo do IMC.

Parabéns à Assefaz e às equipes que participaram do evento!

A seguir algumas fotos. Para conferir todas as fotos acesse http://www.flickr.com/photos/idealcare/